segunda-feira, 17 de setembro de 2007

AS FILHAS!!!


Minha Flor de Maracujá! Mamãe anda tão atrapalhada com a tal da Internet ( aqui no interior fica muito difícil à conexão), que quase não tenho escrito. Mas essa falta de assiduidade não quer dizer que por um minuto sequer, eu a tenha esquecido...
Ontem, eu e seu pai estávamos ouvindo música aqui na cidade, quando observei uma cena que me deu saudades de momentos que ainda não passei...
Ihhhh! Já imagino que você esteja pensando: -“Minha mãe está pirando....”Não, minha Mimi: mamãe está lúcida...Tá bom! Meio lúcida...
Mas vamos a cena...Uma senhora talvez mais velha do que eu, estava comemorando o aniversário de sua mãe, que estava completando oitenta e poucos anos. Naturalmente havia um bolo, todos cantamos parabéns, e estavam as pessoas na mesa da aniversariante, muito alegres. Esta então, parecia bastante feliz.
Chegou um horário em que começou a esfriar bastante, e tanto a filha quanto a mãe, resolveram ir embora para a Pousada que estavam hospedadas. Neste momento veio a tal saudade...
A filha pegou um xale, e amorosamente arrumou sua mãe. Teve o cuidado de ajeitar os cabelos, branquinhos, da senhora que estava bastante elegante. Levantá-la com cuidado, sem que parecesse aos outros que a aniversariante precisasse de cuidados especiais.
Tanto a filha quanto a mãe foram caminhando abraçadinhas... Aconchegadas contra o frio, pelo que existia de mais quente naquele momento: o amor... Fiquei vendo-as até dobrar a esquina e tive imensa saudade, daquilo que não vivi...
Senti saudade de você me abraçando, e eu velhinha, andando juntinho: talvez cambaleante pois seria uma idosa com meu eterno salto alto...
Senti saudade Mimi, de você chegando em nossa casa, só para ver se tudo estava bem comigo e com seu pai. Perguntando se eu havia tomado todos os remédios, se Geraldo estava passando filtro solar ...Senti tantas saudades, minha flor!Lembrei o quanto você sempre foi minha companheira! E quando para matar minhas saudades, repasso algumas fotos suas, vejo você e Aziza juntas e percebo: quão boas filhas eu e Suely tivemos...Somos mulheres de muita sorte!Talvez você fosse uma "Aziza" daqui a alguns anos. Independente, alegre, amiga dos amigos, e uma filha exemplar: que como você, jamais teve vergonha em acompanhar os pais, onde quer que eles fossem... Tanto para você quanto para ela: somos pais e ponto final!
Depois da aniversariante e de sua filha partirem, falei com seu pai: -“ Deus até que dá jeito direitinho nas coisas. Veja só: a minha previsão de vida naturalmente não é tão longa: pelo meu histórico cardíaco e todas as complicações advindas desse coração remendado. Caso eu tivesse vendendo saúde, viveria muito e veja só: não teria uma filha para me aconchegar na velhice. Ia ser tudo muito triste...
Mas meu amor: tive você nas horas que mais precisei. Esteve ao meu lado em todos os momentos que meu coração falhou, nas Angioplastias, enfim...até mesmo quando você já não estava mais aqui e passei por outra colocação de Stent, tenho a absoluta certeza que você estava comigo. Fui tranqüila: sabia que minha Mimi estava segurando minha mão!
Hoje falei com Aziza e ri muito lembrando de você, pois ela me contou que fez uma canja para Suely que está bastante gripada...Perguntei:- “Aziza, você fez a canja, ou fez como Camila???”
Claro meu amor, que relembrei e rimos muito. Contei para ela que quando eu cheguei do Hospital, acredito que depois enfarte, você havia dito para mim que tinha preparado uma canja...Eu achei um pouco estranho, porque fogão e panelas, jamais foram o seu forte.
Cheguei em casa bem caidinha mesmo e algum tempo depois vem você com a bandeja e com o prato fumegante. Nossa! Eu fiquei toda prosa, e perguntei: -“Camila, quem te ensinou a fazer? Perguntou a Luzia?”
Sua resposta foi objetiva como sempre: -“ Não mãe! Não precisei perguntar a ninguém! Comprei um pacotinho de Canjão que dá para quatro pessoas! É rápido, leva uns cinco minutos....”
E assim, era você meu amor: bem feliz porque havia feito uma canja para sua mãe! Naturalmente naquele prato não havia os ingredientes que o Cardiologista recomendara, mas com absoluta certeza, a cada colherada daquela canja eu estava tomando: PORÇÕES DE AMOR!!!! Quer remédio melhor?
Quantas saudades!!! Que vontade de ter aquela canja quentinha...
Queria tanto poder estar deitada junto a você, como todo final de domingo: minha Mimi fazendo seus planos de dieta para segunda feira, pois naturalmente estava como sempre dizia : enooooorme com seus 48 quilos! Deveríamos estar a essa hora, perguntando ao seu pai se o Gol dos jogos do final de semana iriam mudar, pois ele via todos os programas esportivos de domingo, que repetiam as mesmas reportagens...
Estou com saudades de você menina! Sinto falta de seu amor...não aprendi duas coisas que todos acham muito importantes para minha vida: SUBLIMAR e PERDOAR....
Sublimar sua perda...tão difícil! Impossível mesmo! Posso vestir personagem, porém sublimar, não consigo.
Perdoar...Nossa!!! Tem que o Criador arranjar uma outra Christina, pois o tal PERDÃO, tão apregoado por religiosos, ou mesmo por amigos que conseguem exercer esse sentimento, tenho absoluta certeza que jamais darei a quem te fez tanto mal...Não tenho essa grandiosidade e não tenho a mínima vontade de exercê-la.
Já perdoei coisas na vida, que acredito que poucos perdoariam. Deixei passar batido... Mas acredite minha Mimi, o perdão a quem planejou sua partida, e a comemorou: JAMAIS!
Estamos começando mais uma semana: e vou acordar amanhã como se fosse do AA: tenho que vencer mais um dia!
Minha Flor de Maracujá, tenha com você, a certeza de meu amor incondicional...Como de costume, oro todos os dias pelo seu bem estar espiritual, e sabe bem: conversamos sempre!
TE AMO PROFUNDAMENTE MIMI!!!! APAREÇA MAIS UMA VEZ EM UM SONHO...PRECISO DE TEU ACONCHEGO!
Beijos e saudades...
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

2 comentários:

Ten Barrim disse...

Muito bonita a foto. Como todo o respeito, um beijao para a Maj Aziza.

Ten Barrim

Subten Esteves disse...

Que conversa maravilhosa que acabei de ler entre vc e sua filha! Conversa sim, pois não há como suas palavras não ecoarem em sua filha. Li e reli, imaginando-as frente a frente numa conversa recheada de risos. Quanto a sublimar, não o faça, você (e me perdoe a intimidade do você) tem a atitude mais grandiosa que já vi em alguém que teve tal perda ter, não sublime. E o perdão deixe pra Deus, somente para Ele.
Ahhhh Muito bom também rever a Maj Aziza (quando conheci era Tenente) que contribuiu na minha formação de Sargento.