domingo, 18 de julho de 2010

CEL PM FERNANDO PRÍNCIPE – COM SUA EXONERAÇÃO, PERDEMOS TODOS!

AMIGOS:

Transcrevo abaixo,  a entrevista do Cel PM Fernando Príncipe, ao Jornal O Dia Online.

Coronel Príncipe afirma que não errou ao realizar a ação em Costa Barros

Operação, que resultou na morte de aluno dentro da sala, gera polêmica dentro da corporação

“OU É ASSIM, OU NÃO FAZ”, DEFENDE CORONEL SOBRE OPERAÇÃO POLICIAL EM FAVELAS”

Afastado do comando do 9º BPM, o coronel Fernando Príncipe Martins abre fogo contra o comandante-geral da corporação, coronel Mário Sérgio Duarte, em entrevista ao DIA.   “Com a minha exoneração, o comandante-geral diz para os outros comandantes que eles devem privilegiar a omissão e a covardia, devem privilegiar o não fazer”.  Príncipe diz que não errou e que a perda de vidas inocentes, “eventualmente, vai acontecer”.


OPERAÇÕES EM FAVELAS


"A operação foi necessária. Empresários da Fazenda Botafogo já haviam falado comigo que não aguentavam mais. A ação começou às 8h20, havia 100 homens comandados por um major. Tínhamos como alvos a comunidade de Final Feliz e os morros da Pedreira, Lagartixa e Quitanda. O bandido é inconsequente, faz disparos em qualquer direção. Tivemos que trocar tiros. Não há outro jeito de se fazer operação. Ou é assim ou, então, não faz. A Inteligência diz que o bandido ele está lá dentro (da favela). Temos que ir lá. O que a polícia deve fazer? Não fazer nada é prevaricação. O delegado Alzir (Roberto Alzir Dias Chaves, Superintendente de Planejamento Operacional da Secretaria de Segurança) me ligou e cumprimentou pela operação.Você não tem como alvo o Ciep.

MORTE DE WESLEY

"Eu lamento muito, claro. Mas não fui responsável por ela, meus policiais também não. Com a minha exoneração, o comando mostra que não assume a responsabilidade de seus comandados. Não foi a primeira vez que um estudante foi atingido naquele Ciep e o poder público nunca providenciou a blindagem do prédio. Estive no local, vi o que poderia ser feito. Abomino a morte de inocentes, mas isso, eventualmente, vai acontecer.”


TRABALHO NO 9º BPM

O 9º Batalhão, quando eu o assumi, era inoperante. Um batalhão de guerra não pode ter dois blindados baixados (fora de condições de uso), 40 fuzis inservíveis. Começamos a entrar em território em que a PM não ia. Claro que, nesses locais iríamos encontrar delinquentes bem armados. Mas era preciso fazer. Na semana passada, delinquentes da região atacaram uma cabine da PM e mataram um taxista."


EXONERAÇÃO

"Lamento que o comandante-geral tenha me exonerado antes de me ouvir. Ele tem a função de apoiar seus comandados e de ser justo. Foi como se ele dissesse que não importa se houve erro ou acerto, não importa quem tem razão, o que não pode é coloca em risco sua função. Depois da minha exoneração, como oficiais e praças vão agir? Terão segurança para pegar suas asmas sabendo que poderão ser exonerados? Pior é a desmoralização de um servidor público. Há 2 meses, ele (o comandante-geral) me apresentou um quadro crítico no 9º BPM; agora, ao me exonerar, ele diz para a sociedade que o oficial não é competente.

INDUZIDO AO ERRO

"Nunca houve orientação do comandante-geral para que eu não fizesse este tipo de operação. Ao me exonerar, me disse que sua política privilegiava as UPPs. Eu então afirmei que ele havia me induzido ao erro, não havia sido firme em sua orientação. Ao contrário: ao me empossar no 9º BPM, ele fez um discurso na linha do combate. Afinal, trata-se de uma área onde há 100 favelas. O comandante-geral não foi injusto comigo pessoa física, foi com os os comandantes de batalhão.”

 
FUTURO NA PM

“Sob este comando, meu futuro na PM não deverá existir. Fui desmoralizado por um erro que não houve. Não acho que tenha condições de assumir novas funções”.

Por Diego Barreto, Fernando Molica e Thiago Feres

---------------------------------------------------

Então, o Cel. Principe, um Oficial da PMERJ, super qualificado e respeitado, é exonerado talvez para que no entorno do Ciep, muitos votos de apoio ao Sr. Executivo Estadual Sérgio Cabral Filho, possam ser revitalizados e por que não – multiplicados…

É lamentável que a Corporação não dê ao Comandante Príncipe e aos seus comandados, pelo menos a “Presunção da Inocência” .  Recolheram os fuzis dos PM’s… E as armas da Bandidagem?  Quem fará a perícia?

E mesmo que por uma fatalidade, o tiro tenha sido um tiro disparado por arma de um Policial:

-Porque achar que um homem sai de casa para trabalhar - pela miséria paga ao Policiais do Rio de Janeiro -  com a intenção de matar um inocente? Estamos em Guerra, tenham certeza disso! Nenhum Policial atiraria em uma Escola, com intenção de alvo!

Lamentável a morte de menino e tenho certeza  que deve ter sido uma cena brutal. Sei bem o que é perder um filho, e só posso entender que o nosso Pai, esteja neste momento amparando-o.  E que esta família possa,  um dia,  ter momentos de paz!

Mas temos que ter em mente, uma coisa: Estamos em uma  Guerra Civil (não declarada oficialmente) , e quando esta acontece, normalmente temos dois lados se confrontando de modo armado,  e a população civil no meio deste confronto.  Nas Guerras Civis, quem mais sofre baixas,  é a População não armada!

Ao Cel. Príncipe, o meu grande respeito e admiração por sua luta, por sua carreira e por sua técnica apurada.

NADA MELHOR DO QUE O TEMPO E A DISTÂNCIA…  Esta máxima serve  para o amor e certamente para a dor.

Cel. Fernando Principe: o Sr. continuará a ser o Oficial da PMERJ que muitos, tem como parâmetro: O que a PMERJ tem de melhor!

.

Abraço fraterno,

CHRISTINA ANTUNES FREITAS

 

14 comentários:

Anônimo disse...

não foi só esse erro que esse comandante cometeu....alguem lembra do caso geiza,adivinha que aparece no documentário????
ser´que se o filho dele estivesse em horário de aula naquela escola ele realizaria uma operação????

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Sr.Anônimo das 13:35 hs:

Não acho que um documentário diz totalmente a verdade dos fatos.
Não posso saber sobre a operação caso um filho do Cel. estivesse na Escola, mas tenho certeza que jamais ele daria ordens aos Comandados, e estes, atirariam à esmo, na Escola.

Porque não procurar os fatos e ocorrencia em que o Cel. Príncipe esteve como Comandante ou Comandado, e ver dessa forma, quantas vezes ele acertou...
Tenho absoluta certeza, que foram incontáveis vezes!

Não vejo erro algum no posicionamenmto do Cel. Príncipe!


CHRISTINA ANTUNES FREITAS

Anônimo disse...

Essa triste realidade da segurança está mudando graças a política de pacificação de Cabral. uma fatalidade que talvez pudesse ser evitada, mas confronto é isso, policias não vão entrar na favela para morrer.

Anônimo disse...

Essa é a cara do Brasil, um país hipócrita e egocêntrico, pois o que importa primeiramente sou eu, depois eu, assim venho eu. Por causa de um político corrupto e vagabundo um dos melhores Coronéis de Polícia pagou um preço alto e nenhuma autoridade se posicionou a favor do Cel Príncipe. Cel você tem o seu valor, a tropa sabe disso. Parabéns por sua conduta e comando.

Anônimo disse...

ESSE CORONEL JÁ VAI TARDE.
PM/RJ, VERGONHA DO BRASIL

ALTIERES GALHARDO

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Sr. Altieres Galhardo

Discordo do Sr. tanto quanto a sua posição sobre a questão do Cel. Príncipe, e também quanto a PMERJ.

Gostaria de lembrar que os homens e mulheres que estão na PMERJ são recrutados na mesma Sociedade em que eu, o Sr., enfim, todos nós vivemos. Portanto, acredito que a Sociedade em geral é que anda um tanto "doente".

Jamais a PMERJ será "vergonha Nacional". Estamos falando de uma Instituição Bi-Centenária, que como todas, tem méritos e deméritos. O diferencial, é que a mídia somente faz questão de mostrar, o que de ruim uma pequeníssima parte da PMERJ faz. Falamos de de uma Instituição com dezenas de milhares de integrantes.

Mesmo discordando do Sr., agradeço sua leitura em meu Blog.

Abraço fraterno,
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

Anônimo disse...

Estamos falando de uma Instituição Bi-Centenária.
Me perdoe mais é uma instituição FALÌDA.

Altieres

eventos disse...

Querida Cristina,

você está de parabens em buscar esclarecimento nesses conflitos gerados politicamente para enfraquecimento da força Pública representada pelo Comandante Príncipe com um histórico excelente em Comando.
Vejo que mais uma vez a tendência do nosso Rio de Janeiro é se enfraquecer no combate direto as ações criminosas, que para os meios políticos sempre será bom em vista de eles se mostrarem como os homens bons que tiram os homens mals do comando...uma vergonha.

queria deixar esse comentario fortalecendo as suas ações e deixando público a minha admiração pelo Comandante Príncipe, esperando que ele ainda possas atuar para segurança do povo honesto brasileiro

abraços

Tony

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Amigo Tony:

Agradeço sua leitura e comentário, certa que um dia a "verdade plena" estará junto a nós. Por enquanto ficamos com a certeza de que a bala que atingiu o menino, não foi da PMERJ!
Infelizmente a mídia não transmitiu esta informação, na mesma proporção em que qualificou os integrantes da PMERJ como os que atingiram o aluno em sala de aula!
Tempo e distância... Nada melhor do que isto, para que tudo se acerte!

Abraço fraterno,
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

André Fonseca disse...

Eu moro em resende porque vc PRÍNCIPE vem pro 37Batalhão eu confio em vc ass. André Fonseca

Andressa disse...

Admiro o Cel Principe, e acredito que precisamos de comandantes corajosos e cientes de seu dever como ele. Minha admiração a este grande homem.

CHRISTINA ANTUNES FREITAS disse...

Sra. Andressa:

Realmente o Cel. Príncipe é uma pessoa admirável, mas parece que a PMERJ não gosta que "os melhores" estejam Comandando. Isso me parece ciúmes infundadfos, até porque o Cel. Principe é uma pessoa muito discreta, e não afeita a holofotes. Não teria a intenção de ofuscar ninguém!

Vamos torcer para que ele volte!

Abraço fraterno,
CHRISTINA ANTUNES FREITAS

Kelly Almeida Nunes disse...

Não podemos visualiza o comandante dessa operação como culpado, ele foi treinado para assumir poderia ter sido ele ou um dois seus homens,quando esses homens sai de casa pra trabalhar não saber se vai voltar, muitos não volta tamos falando de vidas vamos respeitar esses homens que se arisca todos os dias pra nós defender de delinquentes ...

Anônimo disse...

Cmt Principe, nesse meio período muita água passou por baixo da ponte e extremos aconteceram. Do 147 (por omissão do covarde do Garotinho) à Farmácia da Tijuca (onde assumiste e resolveste). Da Operação consciente, comandada e silenciosa em Costa Barros aos holofotes do Alemão. Até quando a Corporação PMRJ se dará ao luxo lhe manter de fora de onde a população espera que o Senhor esteja. População que financiou o Estado a lhe proporcionar seu conhecimento e que por competência e amor a camisa colocaste em prática, sem politica e sem interesses. Estando a sociedade necessitando de COMANDANTES, até quando existirão Costa Barros (antes),São Gonçalos, Niteróis, Marés..., estou começando a achar que realmente é isso que o atual Comando Geral quer de cartão de visita para corporação. Porque Coronéis existem muitos, Comandantes muito poucos. A Tijuca sente saudades suas. Tenho certeza que seu paí esta muito orgulhoso de vc. E nós que lhe conhecemos também. Deus lhe proteja.Um amigo da Maranhão